quinta-feira, 30 de setembro de 2010

sexta-feira, 24 de setembro de 2010


Intimidade: É uma palavra de cinco sílabas para 'aqui - está - o - meu - coração - por - favor - esmague-o - como - carne - moída - e - se - delicie'. É uma coisa ao mesmo tempo desejada e temida. Difícil de conviver com e impossível de se viver sem

quinta-feira, 23 de setembro de 2010


Tão suavemente as notas tocam o coração, como se tivessem sido criadas para curar o incurável.


/Olivroquenaotinhanome.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010


Dissipado pelo tempo, foi assim que o homem se viu.
Não podia mais errar, nunca pode. Nunca errou.
Lutou enquanto era possivel, mas se entregou, se esqueceu por que lutava. Perdeu todas as guerras por um unico motivo. O orgulho.
Prefereriu todas as foices da negação, preferiu todos os malditos cortes, cortes que em alguns casos foram tão profundos que ficaram gravados na alma. Preferiu tudo isso ao inves de adimitir o erro.
De fato, não podia mais errar, não havia tempo, foi assim que ele se viu.


/Olivroquenaotinhanome.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010


Andou por todos os lugares, viu tudo que podia ter visto, bebeu quase em todos os bares e de todos os tipos de bebidas, caiu na maioria das sargetas e dormiu por quase todas as casas, passou metade de suas noites sem pensar e perdeu mais da metade do seu tempo sem fazer nada, não chorou nenhum dia de tristeza só sorriu e sorriu diante das piores desgraças de sua vida, não ligou para nada, apenas quis seguir e esquecer. Para esquecer bebeu mais, fumou mais, cheirou mais, para esquecer dormiu menos, pensou menos e por fim se matou mais. Porém mesmo assim se sentia vazio e nada de tudo que havia feito preenchia aquele imensuravel vazio e aquela distocida solidão. Por fim chorou, chorou ao ver que nenhuma palavra preencheria seu quadro negro, mas sorriu, sorriu por ainda acreditar que poderia tocar as palavras.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Close your eyes and I'll kiss you 'cause.


- Cada pequena brecha, cada pausa no olhar, o sopro da respiração, a pulsação, eu posso sentir. E quando você quiser, posso viver e morrer ao mesmo tempo. Amar por completo e ser incompleto. Feche seus olhos e eu te beijarei, porque.. Existe a pausa do olhar e é quando sinto que seus olhos podem me tocar. Apenas feche seus olhos e eu marcarei sob o céu nossa historia.



/ Olivroquenaotinhanome for B.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

E agora, José?

A festa acabou,

a luz apagou,

o povo sumiu,

a noite esfriou,

e agora, José ?

e agora, você ?

você que é sem nome,

que zomba dos outros,

você que faz versos,

que ama protesta,

e agora, José ?

Está sem mulher,

está sem discurso,

está sem carinho,

já não pode beber,

já não pode fumar,

cuspir já não pode,

a noite esfriou,

o dia não veio,

o bonde não veio,

o riso não veio,

não veio a utopia

e tudo acabou

e tudo fugiu

e tudo mofou,

e agora, José ?

E agora, José ?

Sua doce palavra,

seu instante de febre,

sua gula e jejum,

sua biblioteca,

sua lavra de ouro,

seu terno de vidro,

sua incoerência,

seu ódio - e agora ?

Com a chave na mão

quer abrir a porta,

não existe porta;

quer morrer no mar,

mas o mar secou;

quer ir para Minas,

Minas não há mais.

José, e agora ?

Se você gritasse,

se você gemesse,

se você tocasse

a valsa vienense,

se você dormisse,

se você cansasse,

se você morresse…

Mas você não morre,

você é duro, José !

Sozinho no escuro

qual bicho-do-mato,

sem teogonia,

sem parede nua

para se encostar,

sem cavalo preto

que fuja a galope,

você marcha, José !José, pra onde ?


Assista: http://www.youtube.com/watch?v=8javm2Eyh1s

quinta-feira, 2 de setembro de 2010


Eu sinto como se um mar
estivesse desaguando dentro de mim.
Como se o que restasse da poesia fosse agora o verbo saudade
Como se nos meus olhos
só restasse um dueto de tristeza e felicidade.


/Olivroquenaotinhanome