segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Naquele instante o tempo parou. Sabia o tempo que um momento como aquele era raro, então parou, tornando cada segundo um instante de eternidade.


//Olivroquenaotinhanome

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

As vezes a tristeza domina nossos eu´s mesmo quando temos milhares de motivos para sorrir. E quando isso acontece, cabe-nos a difícil tarefa de olhar acima do céu e ver por trás das nebulosas nuvens o sol que ainda há de vir.



//Olivroquenaotinhanome

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011


Confesso de maneira triste, mas o amor não foi feito para quem não está disposto a perder-se de si em razão do outro;




//Olivroquenaotinhanome

terça-feira, 11 de janeiro de 2011


Nós seres humanos somos tão ricos e interessantes que as vezes nos limitamos a uma maneira de ser, esquecendo- nos que somos muito mais.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Solidão é a desgraça dos sensíveis e o amante dos poetas.



A solidão é a pior droga inventada depois do amor,
é o mal do século, o vicio de si mesmo.
Solidão é sentir que seus valores são como um copo pela metade,
onde o sorriso puro está na metade que não existe mais.
Solidão sou eu me olhando no espelho,
monótona vazia como um sabonete caído num canto do banheiro.
Solidão é a desgraça dos sensíveis e o amante dos poetas.
Solidão sou eu, você e a humanidade cumprindo a missão de existir.


//Olivroquenaotinhanome

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011



E a chuva caia, não triste como cai no inverno, mas quente e umida como cai no verão.
O dia não era feliz, era apenas mais um dia, só que agora chovia e as cores não eram só cores, as cores eram vidas, vidas presas em gotas e espalhando sua magia por todos os cantos.




//Olivroquenaotinhanome